Será que depois do RGPD as campanhas de e-mail marketing ainda são eficazes?

No Comments
E-mail Marketing

O e-mail marketing é uma das práticas mais comuns a que as empresas recorrem para entrar em contacto com clientes e potenciais clientes, no sentido de comunicar certas informações e ofertas relevantes.

Estas informações e ofertas podem ser bastante variadas, incluindo o envio de cupões de desconto, a promoção de artigos em saldo, o anúncio de um evento especial ou mesmo o envio de informações sobre a sua empresa, como a mudança de localização. Do mesmo modo, os e-mails de marketing também podem ajudá-lo a conhecer melhor os seus clientes, perguntando-lhes por exemplo se desejam receber atualizações acerca dos seus produtos ou serviços ou até pedir opiniões sobre a experiência em loja.

Porém, devido à grande quantidade de e-mails recebidos diariamente pelos consumidores, ao surgimento de outros canais de comunicação digitais, como as redes sociais, os anúncios de publicidade display ou os chats online, e à implementação do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD) na Europa, muitos foram os que pensaram que o envio de e-mails era uma ferramenta ultrapassada e demasiado saturada.

No entanto, o e-mail marketing continua a ser uma das formas mais eficazes de interagir e reter os seus clientes atuais! Vamos olhar para os números…

 

Por que é que as campanhas de e-mail marketing continuam a ser importantes?

O envio por e-mail de boletins informativos e ofertas especiais pode constituir uma parte bastante importante no seu plano de marketing em termos de vendas e permitir a criação e o fortalecimento de relações com os seus clientes.

Uma prova disso é o impacto que as campanhas de e-mail marketing detêm no Retorno do Investimento (ROI) das empresas! Segundo a CoppyBlogger, uma empresa dedicada ao Marketing de Conteúdos, em média as empresas conseguem obter um retorno de 4300% do investimento realizado em e-mail marketing. A razão para um ROI tão alto é o facto de os e-mails ajudarem a manter as empresas na mente dos consumidores de forma ativa e constante, oferecendo ainda a oportunidade de realizar um acompanhamento mais próximo dos clientes, o que pode levar a um aumento de vendas.

De facto, são muitas as pessoas que utilizam o e-mail diariamente. De acordo com um relatório da Statista, só o Gmail já tinha mais de 1 bilião de utilizadores espalhados por todo o mundo em 2018, um número que tende a aumentar cada vez mais. Esse facto é reportado pela empresa de pesquisa de mercado Radicati Group, que verificou que, até ao final de 2020, o número de utilizadores de e-mail será superior a 3 biliões de pessoas, o que significa que mais da metade da população mundial irá utilizar o e-mail como ferramenta de comunicação.

 

Utilizadores de Email 2016-2020

 

Além de utilizarem o e-mail de forma massificada, os consumidores utilizam bastante esta ferramenta online como forma de comunicarem com as marcas e obterem informações e oportunidades comerciais. Segundo a empresa de marketing americana Excelerate, 7 em cada 10 pessoas utilizam os códigos promocionais ou os descontos que recebem via e-mail. Um facto interessante sobre estes consumidores é que, em média, as pessoas que fazem uma compra através de uma promoção recebida por e-mail gastam 138% mais do que os clientes que não receberam qualquer oferta por e-mail. Este dado, referido pela empresa de análise e consultoria Convince&Convert, está ligado ao facto de os clientes gostarem de receber e-mails com ofertas privilegiadas de marcas com as quais se identificam e nas quais confiam. Quando vão ao seu Website, estes clientes terão uma maior propensão para comprar vários produtos do que se visualizassem os seus artigos sem qualquer incentivo à compra.

Desta forma, não é de estranhar que o e-mail ainda continue a ser uma das ferramentas mais eficazes na conversão em vendas, comparativamente com outras plataformas de comunicação online. Apesar do crescimento exponencial das redes sociais, a verdade é que, segundo a empresa de consultadoria McKinsey&Company, as campanhas de e-mail marketing continuam a ser a segunda forma mais relevante de conquistar novos clientes, surgindo logo a seguir à procura orgânica em motores de pesquisa. Dado ser uma forma de comunicação mais direta e personalizada, o envio de e-mails é mesmo 40 vezes mais eficaz a impulsionar vendas do que o Facebook ou o Twitter!

Eficácia e-mail marketing na conquista de clientes

 

Como criar uma campanha de e-mail marketing bem-sucedida?

Agora que já sabe a importância que o envio de e-mails terá nos resultados da sua empresa em termos de vendas, aumento do número de clientes e ROI, sabemos o quão entusiasmado está para começar a planear uma campanha de e-mail marketing. No entanto, antes de começar, é importante ter algumas noções quanto à melhor forma de utilizar esta ferramenta a favor da sua empresa!

     1. Estabeleça objetivos concretos

Os e-mails de marketing costumam ser enviados a partir de um endereço exclusivamente de envio e devidamente identificado com o nome da empresa, de forma a garantir que os seus clientes irão facilmente confiar nas suas mensagens.

Estabelecer objetivos

Tendo o e-mail criado, o primeiro aspeto a que deve dar atenção para criar uma campanha de e-mail marketing é definir objetivos para o envio de e-mails. Estes objetivos devem estar de acordo não só com o estágio do funil de vendas em que o consumidor de se encontra, como também devem estar alinhados com as estratégias comunicacionais da sua empresa, de forma a que todas as suas ações online contribuam para a mesma finalidade.

Como tal, os seus objetivos poderão corresponder à apresentação de produtos/serviços, ao envio de informações relevantes sobre a sua empresa, à distribuição de cupões de desconto ou pode mesmo pretender atrair mais visitantes para o website ou enviar uma mensagem de boas-vindas a novos subscritores da sua newsletter. Só objetivos concretos e específicos irão conduzir a campanhas de e-mail marketing bem-sucedidas. Lembre-se que não precisa de abranger todos os seus objetivos numa só campanha, mas pensar num objetivo principal de forma ponderada e realista.

     2. Conheça a sua audiência

Posteriormente à definição dos seus objetivos, deve constituir uma lista de contactos de pessoas potencialmente interessadas na sua mensagem. Esta lista de contactos pode ser criada através do pedido pessoal de e-mails a atuais clientes ou através da criação de formulários no seu Website, incentivando os visitantes a subscreverem a sua newsletter ou a cederem um contacto de e-mail para posterior envio de informações importantes, novidades, ofertas especiais, etc.

Além de serem construídos para obter contactos de e-mail, estes formulários podem também ser produzidos de forma a obter algumas informações importantes acerca dos seus consumidores, como a idade ou a localização, as quais podem ser agregadas numa base de dados, permitindo-lhe armazenar uma grande quantidade de informações acerca dos clientes que preenchem os seus formulários.

Conhecer a audiência

Ao mesmo tempo, pode ainda recolher dados acerca dos seus clientes no Google Analytics e nos perfis da sua empresa no Social Media, por exemplo através do Facebook Business. Ambas estas plataformas detêm informações acerca dos seus clientes, como dados demográficos, localização e principais interesses, dando-lhe uma ideia mais clara acerca de quem estes são e quais são as suas motivações, interesses e necessidades!

No entanto, não se esqueça que com a chegada do RGPD, a obtenção e retenção de dados pessoais dos seus clientes, como é o caso do e-mail, só podem ser realizadas com o seu consentimento expresso. Como tal, por lei só poderá enviar e-mails para os clientes que efetivamente concordaram em continuar a receber as suas mensagens o que, apesar de limitar o número de pessoas a quem pode fazer chegar os seus e-mails, traz a vantagem de saber que esses clientes realmente querem receber novidades suas. Ter o consentimento dos clientes para lhes enviar e-mails aumenta, assim, a possibilidade que os mesmos abram efetivamente as suas mensagens.

     3. Tire partido de ferramentas online para gerir os seus e-mails

Após conhecer a sua audiência, só tem de tirar o máximo partido da tecnologia para criar uma campanha de e-mail marketing realmente eficiente!

Existem muitos sistemas de software de marketing por e-mail que constituem uma verdadeira ajuda para conseguir orientar todo o processo de configuração da sua campanha de forma mais eficaz. Além disso, a maioria é extremamente fácil e intuitiva de usar e pode ser facilmente integrada em softwares que já utiliza, como o WordPress.

Ferramentas como o ConvertKit, AWeber, GetResponse ou o MailChimp  oferecem-lhe uma grande diversidade de funcionalidades, como o agrupamento de todas as informações sobre os clientes (nome, endereço, etc.), a segmentação do seu público, a possibilidade de agendar o envio dos e-mails, personalizar o conteúdo dos e-mails de acordo com os interesses de cada cliente ou grupo de clientes ou mesmo a realização de uma análise aprofundada sobre o desempenho da campanha de e-mail, monitorizando as ações dos seus clientes quando recebem o e-mail. Com esta monotorização consegue perceber, por exemplo, se os seus clientes abrem o e-mail ou se clicam nos links presente no mesmo, permitindo-lhe adaptar os e-mails de acordo com a interação que o destinatário deteve com o mesmo.

MailChimp Dashboard

 

     4. Crie e-mails apelativos

Apesar de todas as ações acima mencionadas serem extremamente importantes para que cumpra os objetivos da sua campanha de e-mail, se não conseguir criar um e-mail coerente, persuasivo e atrativo, a sua campanha pode mesmo estar arruinada.

Um dos pontos mais importantes quando cria um e-mail para os seus clientes é a linha de assunto. Um bom assunto é imprescindível para gerar interesse imediato pelo e-mail, levando à sua abertura. O assunto é como um título que utiliza nos artigos do seu blog, tendo de chamar a atenção do cliente ao mesmo tempo que o informa sucintamente sobre o tema-chave do e-mail. De facto, segundo a Campaign Monitor, as linhas de assunto devem variar entre 41 a 50 caracteres, o que dá um total de mais ou menos 10 palavras. Se pensar que o seu e-mail irá ser apresentado num dispositivo móvel, este número tende ainda a diminuir mais! Portanto, tente sempre transmitir a informação mais valiosa e relevante incluída no e-mail, colocando a questão-chave logo no começo da frase, para ter a certeza que os seus clientes a leem. Quando for possível, pode também personalizar a linha de assunto com o nome do cliente ou localizar o assunto, como por exemplo: O seu cão é o mais saudável de Lisboa?, de forma a que os utilizadores sintam maior conexão com o seu e-mail. É também de evitar colocar palavras na linha de assunto como “grátis”, “-x%”, “lembrete” ou símbolos de moedas e pontos de exclamação, uma vez que esses carateres fazem ativar os filtros de spam.

Já o conteúdo que colocar no seu e-mail deve sempre oferecer algo aos seus clientes! Estas ofertas não passam necessariamente por descontos, cupões ou outras ofertas monetárias. A oferta que dá aos seus clientes pode passar simplesmente por informações úteis sobre a sua empresa, notícias e novidades interessantes sobre a área de negócio na qual a sua empresa está inserida ou até conteúdos específicos tendo em conta os interesses do cliente. Para melhorar os seus resultados, também o texto dos e-mails devem ser concisos, tendo parágrafos com 1 a 3 frases centrados numa única ideia, persuasivos, destacando a negrito ofertas e conteúdos importantes, e cativantes, escritos num tom adequado para o público-alvo.

Ao longo do seu e-mail, deve também incluir pelo menos um botão call-to-action ou hiperligações que façam com que os destinatários cumpram o objetivo da sua campanha. Por exemplo, se o seu objetivo é oferecer um vale de desconto aos seus clientes, pode criar um botão de call-to-action com a mensagem “Clique aqui para poupar 25% na próxima encomenda!”. Se, por outro lado, o objetivo for que o sigam nas redes sociais, pode colocar várias hiperligações para os seus perfis, com mensagens como “Fique a par das nossas novidades no Facebook!” ou “Siga-nos no Twitter!”.

Call-to-Action em Emails

 

     5. Planei e-mails de follow-up

O primeiro e-mail que enviar aos seus clientes é uma das partes mais centrais de toda a campanha. No entanto, este não é o único ponto de contacto por e-mail que deve estabelecer com os destinatários, se deseja maximizar as potencialidades da sua mensagem e os resultados da campanha.

O primeiro e-mail que envia irá dar-lhe um bom leque de informações acerca da forma como os seus clientes reagiram a esse e-mail. Ao analisar os resultados, irá saber, por exemplo, quais dos consumidores abriram o e-mail, quais clicaram no botão de call-to-action, quais visitaram o seu Website ou mesmo quais aqueles que realizaram a ação pretendida por si, por exemplo, em termos de vendas ou de inscrições num evento. Assim, deve partir destas informações para criar e-mails de follow-up, que não são mais do que e-mails de acompanhamento do contacto previamente estabelecido, de forma a que o seu cliente não só recorde a sua empresa como seja persuadido a realizar o objetivo da sua campanha.

Emails de follow up

Como tal, se enviar um e-mail aos seus clientes com a promoção a um novo produto e reparar que um grupo de clientes não abriram o seu e-mail, pode enviar-lhes novamente um e-mail, com uma linha de assunto diferente da anterior, recordando-lhes que a sua empresa detém uma nova e valiosa oferta. Do mesmo modo, se alguns clientes abrirem o seu e-mail, mas não realizarem a ação que pretende, pode também enviar um segundo e-mail lembrando-os das vantagens dos seus produtos e incentivando-os à compra com um desconto especial. Por outro lado, se o objetivo for conduzir à inscrição em algum evento, pode enviar alguns e-mails com incentivos à inscrição ou mesmo atualizações e novidades relativas ao evento até à data limite para a inscrição.

No entanto, não sobrecarregue os seus clientes com o envio de e-mails com muita frequência, pois isso poderá fazer com que estes passem a ignorar os e-mails ou pode mesmo levar a que os seus e-mails sejam enviados diretamente para o spam.

Por mais que tenha delineado objetivos claros e criado e-mails apelativos e persuasivos, a verdade é que, mesmo assim, a sua campanha pode falhar. Isto porque, apesar de conhecer bem os seus clientes, cada pessoa é sensível a diferentes formas de comunicação em termos de texto, imagens, cores utilizadas, tipos de letra, etc. Como tal, é uma boa prática testar todos os e-mails através dos chamados testes A/B, os quais assentam na criação de duas versões de um e-mail para ver qual tem melhor desempenho. Como tal, estes e-mails devem ser consideravelmente diferentes em termos de linha de assunto, conteúdos, design ou botões de call-to-action, podendo também diferir nos dias e horas de envio. Ao enviar um e-mail diferente para metade dos seus clientes, pode posteriormente perceber qual teve maior taxa de abertura, taxa de cliques e taxa de conversão, percecionando de melhor forma que tipo de abordagem os seus clientes preferem e, logo, tendo uma maior capacidade para tornar os seus e-mails mais eficazes!

No Comments

    Leave a Comment