7 conselhos valiosos do Whiteboard de Rand Fishkin para E-commerce

No Comments
Rand Fishkin Moz

Com o regresso da Web Summit a Portugal, chegam ao país as mais recentes novidades tecnológicas e tendências digitais. Um dos oradores mais sonantes do evento é Rand Fishkin, fundador da Moz, a empresa com maior referência no mundo em SEO que ajuda, atualmente, cerca de 37 mil empresas a trabalhar para arrasar com a sua concorrência online.

Quando comecei a minha jornada pelo mundo do SEO, em 2004, trabalhava em C2C marketplaces (leilões, classificados, etc.), uma das primeiras áreas em Portugal a utilizar o SEO.  Nessa altura, a maioria das informações que recolhi foi através do site SEOMOZ (a atual Moz), de Rand Fishkin. As ideias inovadoras deste guru do SEO mostravam, talvez pela primeira vez, que existia um método de trabalho a seguir e uma ciência para o SEO.

Whiteboard Friday de Rand Fishkin

Ao analisar um dos grandes trabalhos de Rand Fishkin – o  Whiteboard Friday – e dada a sua presença na Web Summit este ano, decidi reunir vários dos seus conselhos sobre técnicas e estratégias de E-commerce, sempre suportados por pesquisas profundas. Alguns destes conselhos são retirados de Whiteboards dedicados ao E-commerce e outros são pontos referidos por Fishkin em Whiteboards de diversas temáticas, mas que se adaptam perfeitamente à sua loja online.

Vamos a isto?

 

1. Como construir a melhor página de E-commerce da Internet

A página de produto é a página mais decisiva do seu site de E-commerce. Além de ser a página mais partilhada socialmente, é nesta página que os utilizadores decidem se o seu produto vai de encontro às suas necessidades, se é apelativo, se a relação qualidade/preço está equilibrada e se vão ou não seguir para o caminho de compra.

Página de produto

  1. Evidencie as informação-chave do produto – Tudo se resume a ajudar o cliente a conhecer o produto e a sua utilidade. Assim, quanto mais claras, concisas e visuais forem as informações dadas, melhor. Quando fizer sentido, as características a apresentar podem ser mais extensas, no entanto, o essencial a indicar é o nome do produto, algumas fotos incríveis que espelhem os seus atributos únicos e, claro, o preço.
  2. Mostre claramente as opções e o caminho de compra – Quais são as cores disponíveis em que o cliente pode comprar o seu produto? Em que tamanhos? Que materiais tem à escolha? Na altura da compra, é importante que o cliente perceba que opções pode selecionar, e seja direcionado ao longo do caminho de compra de forma explícita e simples.
  3. Detalhe as caraterísticas do produto – Nesta fase deve levar o consumidor a entender exatamente que produto vai comprar: as dimensões, anos de garantia, tempo de entrega… Ajude as pessoas a determinar se o produto é o que estão à procura! Vá ainda mais longe e tente solucionar problemas ou perguntas que o cliente possa ter, mesmo sem que este tenha perguntado.
  4. Acrescente conteúdo que lhe permita “fechar negócio” – Ofereça conteúdo que incentive o consumidor a avançar no funil de compra. Pode recorrer, por exemplo, a fotografias com modos de utilização do produto, ou a formatos ainda mais dinâmicos, como vídeos ou pequenas animações. O fundamental é ativar gatilhos psicológicos que acabem com qualquer ceticismo de potenciais consumidores e os façam sentir confortáveis com a realização da compra. Fale com os seus clientes atuais e potenciais, para saber que tipo de conteúdos acrescentar!

 

 2. Analisar o caminho de compra do seu cliente

Para Rand Fishkin, é fundamental entender o caminho de compra dos clientes.

Porquê?

Só irá conseguir perceber como obter conversões na sua loja online, que conteúdos criar e como determinar o melhor posicionamento para o seu produto e marca, se realmente conhecer os passos dos seus clientes até tomarem a decisão de compra.

  • O funil de compra

    Funil de compra

 

  • Os compradores:

 1. Quem são?

A melhor forma de perceber quem são os seus clientes é falar com quem comunica diariamente com eles! Vendedores ou funcionários do serviço de apoio ao cliente são ótimos para conhecer melhor o seu público-alvo.

O que pretende é criar buyer personas, percebendo especificamente quem são estas pessoas, onde se encontram, como se comportam e quais os seus interesses.

Ao nível do online, pode utilizar várias ferramentas do Google, Facebook ou Twitter para perceber quem os seus clientes seguem, quem os influencia, a que marcas dão atenção, ou que tipo de conteúdos mais gostam.

 2. Quais as suas necessidades?

Com os seus clientes em mente, deve agora pensar quais as suas maiores necessidades.

Ferramentas como o Keyword Planner ou KeywordTool.io podem dar-lhe uma preciosa ajuda! Estas ferramentas permitem-lhe ter uma perceção das razões pelas quais as pessoas compram o seu produto e até de possíveis objeções à compra, ao fornecer os termos de pesquisa associados ao mesmo.

Por exemplo, ao pesquisar as palavras “whisky escocês” nestas ferramentas, pode verificar que uma pesquisa relacionada é “Qual o melhor whisky escocês por menos de 50€?”. Este resultado permite-lhe perceber que as pessoas procuram um produto de qualidade quando pesquisam por whisky escocês, e ainda que o preço é também um fator que influencia a compra.

  • Criação da estratégia de conteúdos e conversão

Agora que já sabe quais os artigos, vídeos e imagens nos quais o seu público está interessado, já sabe também quais são as suas expetativas. Resumindo, já sabe o conteúdo que precisa de criar!

Já sabe, por exemplo, que testemunhos destacar para que as pessoas se identifiquem com os seus clientes e pensem “se é um bom produto para esta pessoa, e se eu me identifico com ela, deve ser um bom produto também para mim”. Sabe também que estilo usar nos seus artigos, ou ainda, o conteúdo a colocar na landing page para obter mais conversões.

Desenvolva o copywriter que há em si e produza conteúdo interessante e criativo!

 

 3. Criar páginas de alta qualidade para o seu website

Páginas de alta qualidade

As páginas com baixa qualidade afetam negativamente o índice geral de qualidade do seu site em termos de cliques, pedidos de informação e engagement.

Assim, é do seu interesse criar páginas de alta qualidade, para que possa obter melhores rankings e, logo, mais visitas.

O que o Google entende por “qualidade”?

O Google tem algumas ideias sobre o que é conteúdo de alta qualidade. Vamos começar…

  1. O conteúdo da página tem de ser único;
  2. A página deve ser referenciada por fontes externas, pois isso mostra que tem qualidade;
  3. A página deve também ser referenciada por páginas internas de alta qualidade do seu website;
  4. A página deve responder com sucesso à pesquisa do utilizador;
  5. O carregamento da página deve ser rápido, em todas as conexões;
  6. A página deve ter uma boa acessibilidade e proporcionar ao usuário uma experiência intuitiva com design adaptado a qualquer dispositivo;
  7. A qualidade e coerência dos conteúdos também conta! Crie conteúdo gramaticalmente correto e harmonioso;
  8. O conteúdo não-textual (imagens, vídeos, etc.) deve ser sempre legendado, através do uso do atributo alt;
  9. A estrutura das páginas é outro aspeto que nunca pode ser descurado. Deve estar bem organizada e ser compreensível para qualquer tipo de utilizador;
  10. Adicionar links externos é uma ótima maneira de melhorar a qualidade das suas páginas, pois é considerada uma forma de oferecer mais informação ao utilizador ou de o ajudar a seguir alguma tarefa.

No entanto, não se preocupe se não conseguir implementar já todos estes pontos. O importante é ir trabalhando para os melhorar!

 

Como tudo começou?

Rand Fishkin descobriu o gosto pelo mundo tecnológico em 1993, quando ainda frequentava o ensino secundário. No final dos anos 90, já construía websites, trabalhando como consultor da usabilidade de páginas web para vários bancos e pequenas empresas de Seattle, cidade onde reside. Em 2004, fundou um website onde publicava relatórios, dados e ferramentas de SEO, o qual é atualmente um reconhecido software da área – a MOZ.

 

 

4. Avaliações de produto

Revisões de produto

Bem, este ponto é uma espécie de batota, pois não havia nenhum vídeo do Whiteboard Friday sobre avaliações de produto. No entanto, como penso que no futuro Fishkin poderá abordar este tema, decidi incluí-lo à mesma.

A Moz realizou também várias análises sobre fatores de conquista de rankings para pesquisas locais, sendo que as avaliações de produto representam, em média, 10% dos fatores que impactam os rankings.

  • Boca-a-boca no mundo digital

Quanto maior for o número de avaliações de produto realizadas pelos seus clientes, mais facilmente irá conseguir influenciar as decisões de compra dos consumidores e o ranking dos mecanismos de pesquisa. Se conseguir reunir essas avaliações de forma rápida e constante ao longo do tempo, melhor ainda! Isso dá aos consumidores uma noção do quão confiável é o seu negócio e é uma boa indicação de como essas avaliações foram naturalmente recolhidas.

  • As avaliações de produto melhoram os seus resultados nos SERPs e Taxa de Cliques

As avaliações de produto podem aparecer automaticamente na apresentação do seu site nos SERPs (Páginas de Resultados dos Motores de Pesquisa). Todos nós já vimos várias páginas nos motores de pesquisa que incluem estrelas de revisão e os nossos olhos são automaticamente atraídos por elas, não são? Isto irá não só melhorar a sua visibilidade como, consequentemente, levar a um maior número de cliques na sua loja online.

  • Estas avaliações irão melhorar o conteúdo do seu site de vendas

As avaliações de produto referem-se diretamente ao seu produto ou serviço, constituindo conteúdos genuínos acerca dos mesmos. Estes conteúdos são geralmente únicos, relevantes, úteis e estimulam o tráfego de palavras-chave de longa duração. Do mesmo modo, como quem escreve as avaliações é quem compra os produtos, o idioma usado é semelhante ao que o seu público-alvo usará, ajudando-o a direcionar mais tráfego através das palavras-chave adequadas.

 

5. Conheça a melhor maneira de estruturar a navegação do seu site de E-commerce

A navegação tem de ser uma das suas prioridades quando estrutura a sua loja virtual, se quiser causar uma boa primeira impressão.

Tem de conseguir criar uma “experiência única e especial, e encantar os seus visitantes, para além de satisfazer a sua consulta”. É Fishkin quem o diz!

Assim, ajude as pessoas a:

  1. Compreender onde se encontram ao longo da estrutura do site, especialmente se o seu site for mais complexo;
  2. Conhecer a sua marca! Pense que, se as pessoas estão a ver a sua loja virtual pela primeira vez, esta é a porta de entrada para a primeira exposição que um potencial cliente tem com o seu negócio. Então, faça com que essa experiência transmita a personalidade da sua marca, dando importância a aspetos como a forma da escrita e o estilo de apresentação;
  3. Perceber facilmente quais as páginas disponíveis no website, como a página acerca da história da empresa ou a lista de produtos. Nunca se esqueça, os títulos do menu de pesquisa devem refletir as informações presentes nas páginas de destino;
  4. Entender como comprar o produto. A navegação em torno do carrinho de compras deve ser o mais simples possível, incluindo sempre uma barra de pesquisas pois cerca de 10% a 12% dos visitantes usam a Pesquisa como principal função de navegação em sites de E-commerce. Destaque ainda informações sobre o processo de compra, como o envio gratuito.

 

6. Schema Markup

A marcação de esquema corresponde a fragmentos de dados estruturados que ajudam os motores de pesquisa a analisar e compreender o conteúdo da sua página de forma mais eficaz.

Uma melhor compreensão deste conteúdo conduz, portanto, a melhores classificações dessas páginas, permitindo-lhe ainda exibir dados relevantes nos SERPs, como estrelas, número de avaliações ou stock disponível. Ter este tipo de informações chama a atenção dos utilizadores para o seu site e aumenta a Taxa de Cliques.Marcação de Esquema

 

  • A marcação SEO mais atual

O esquema de marcação de dados mais utilizado pertence à organização Schema.org e é utilizado pelo Google.

É, então, muito importante adotar algumas práticas de marcação de esquema no seu site de E-commerce pois ao usá-las torna-se mais fácil para o Google entender o seu conteúdo, o que leva a melhores classificações nos rankings das páginas de resultados e, logo, a maior visibilidade.

Aplicar tags como o atributo alt, tags de cabeçalho, meta description e canonical são, definitivamente, uma estratégia a adotar.

  • Deseja verificar as suas páginas web? Temos a solução!

Se pretende analisar a estrutura de dados do seu website, o Google Structured Data Checker tool é uma ótima ferramenta para o conseguir.

Após aceder à ferramenta, basta introduzir o URL do seu site ou aceder através da sua conta de Search Console. Agora, já pode desenvolver, modificar e testar a estrutura de dados perfeita para a sua loja online!

 

Rand Fishkin, o polivalente “feiticeiro da mOz”

Rand Fishkin usa atualmente a alcunha de “feiticeiro da mOz”, tendo como principais características um estilo irreverente e a facilidade em explicar temas complexos de forma simples e direta. É o anfitrião do Whiteboard Friday, coautor de vários livros sobre SEO e cofundador do Inbound.org. Atualmente, está também a escrever um livro acerca dos altos e baixos da cultura das startups, o qual será lançado em 2018.

 

7. Otimize os posts do seu blog

Existe um axioma popular de marketing chamado ‘A regra dos 7’. Este príncipio defende que muitos dos seus potenciais clientes não irão efetuar uma compra até que tenham visto a sua mensagem de marketing pelo menos sete vezes.

É então muito importante que consiga comunicar com os seus potenciais clientes nas várias fases do funil de compra e através de várias plataformas. Um blog dá-lhe a oportunidade de criar conteúdos que respondam às questões dos clientes que ainda se encontram no topo do funil, atraindo-os mais facilmente para o seu site e aumentando a probabilidade que ocorram conversões.

Portanto, ter um blog com conteúdo original e exclusivo acerca dos seus produtos é algo em que deve apostar!

Como o conseguir? Aqui vai uma ajuda…

Blogging

 

  • Determine os objetivos dos seus posts

Com que propósitos vai criar os seus posts? Quer atrair uma nova audiência? Partilhar alguma notícia importante sobre a sua empresa ou área de negócio?

Determine também métricas para avaliar os resultados, como a conquista de um certo número de visitas, o engagement gerado ou a partilha nas redes sociais.

  • Determine qual o seu público-alvo

    Público-alvo

Defina quem são as pessoas para quem o post se destina, de forma a conseguir escrever algo que lhes interesse e capte a atenção! Podem ser novos leitores para o seu blog, os seus fãs mais leais ou certos influenciadores.

  • Pesquise as palavras-chave perfeitas

Pesquise três a cinco palavras-chave para incluir no seu texto. Porquê três a cinco? Porque, geralmente, é o número que consegue alcançar através de um post.

O que pretende são palavras-chave com um volume alto de pesquisas, de dificuldade baixa, e com alta taxa de oportunidade de cliques.

  • Analise a concorrência

Investigue a sua concorrência, analisando quem mais está classificado com as suas palavra-chave, quem produziu conteúdo muito partilhado na sua área de negócio e, principalmente, qual é o valor exclusivo que o seu blog pode acrescentar.

Faça como diz um dos melhores oradores da Moz – Rand Fishkin – e crie conteúdo que seja “10 vezes melhor do que qualquer outro que possa ser encontrado nos motores de pesquisa”!

  • Crie o seu post!

Para Fishkin criar um conteúdo “bom e único já não é suficiente”. O que deve criar é uma publicação valiosa, associando o conteúdo escrito a outro tipo de formatos, como imagens, gráficos, vídeos ou animações.

Fazer este tipo de publicações significa que os seus posts irão ter um potencial muito maior para alcançar o seu público e ser considerado algo que vale a pena ver e partilhar!

  • Realize o SEO e segmente as palavras-chave escolhidas

Das três a cinco palavras-chave selecionadas, pense qual é aquela que melhor corresponde aos seus objetivos e detém maior relevância para o público. É essa a palavra que deve integrar no título e no URL do post.

Inclua também as suas palavras-chaves na descrição e legenda de imagens. Estes são lugares estratégicos que lhe irão permitir maior visibilidade nos motores de pesquisa.

  • Elabore um plano de divulgação

    Influenciadores

Feita a publicação, é necessário que as pessoas a leiam e, obviamente, a partilhem! Assim, para além de partilhar o novo post nas redes sociais que mais se identificam com o seu negócio, contacte alguns influenciadores que o poderão ajudar com a divulgação.

Pense que, como diz Rand Fishkin, “a probabilidade de conseguir que o seu post seja amplificado por influenciadores é igual à relevância do seu post para a audiência deles”!

  • Experimente, aprenda e repita o processo

    Ciclo de publicação em blogs

Quando se trata de blogs, os resultados não são imediatos. Mas não desanime, ninguém o conseguiu à primeira ou segunda publicação! Publique, partilhe os posts, analise os resultados, aplique as informações que aprendeu e crie novamente mais conteúdo.

Espero que se tenha divertido tanto a ler este artigo como eu me diverti ao escrevê-lo! Claro que estes pontos representam apenas uma pequena porção de tudo o que é falado no Whiteboardy Friday de Rand Fishkin e que pode beneficiar o seu site de E-commerce. Ainda assim, se integrar alguns destes pontos na sua estratégia de SEO, garanto-lhe que irá melhorar a sua presença nos motores de pesquisa e a experiência que oferece aos seus clientes.

Qualquer questão ou esclarecimento sobre algum destes pontos, não hesite em perguntar!



 

No Comments

    Leave a Comment